Foram realizadas quatro apresentações com os temas “O Ciclo da Violência Doméstica Contra as Mulheres”, “Lei Maria da Penha”, “Homens Pelo Fim da Violência Contra a Mulher” e “Reflexões Sobre a Violência Contra a Mulher na Arte”

 O VI Curso de Promotoras Legais Populares de Suzano encerrou nesta terça-feira (29/05), no Centro de Educação e Cultura Francisco Carlos Moriconi, o terceiro mês de atividades. Na oportunidade, as alunas participaram de quatro palestras: “O Ciclo da Violência Doméstica Contra as Mulheres”, “Lei Maria da Penha”, “Homens Pelo Fim da Violência Contra a Mulher” e “Reflexões Sobre a Violência Contra a Mulher na Arte”.  

 Na primeira aula do mês, realizada em 8 de maio, o público feminino assistiu a uma palestra sobre “O Ciclo da Violência Doméstica Contra as Mulheres”, que foi ministrada pelo jornalista Paulo Pavione. Na oportunidade, o palestrante apresentou as três fases do ciclo: criação de tensão, agressão e romântica. “Na oportunidade, falei sobre o livro ‘Até que a Morte Nos Separe’ e, com base no depoimento das cinco mulheres que dão vida à obra, expliquei, de forma detalhada, sobre cada ciclo da violência doméstica. Também falei sobre a luta pela igualdade de gênero através dos tempos e como a agressão doméstica pode ser identificada num lar”, comentou.

 Já no dia 15 de maio, a presidente da Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – Subseção Suzano, Patrícia Braga, abordou questões ligadas à “Lei Maria da Penha”, contando a história de vida da farmacêutica Maria da Penha Maia Fernandes, que deu nome à lei federal nº 11.340/2006. “A lei vai completar 12 anos em agosto de 2018. Nesse período, muitos casos de feminicídio foram denunciados. Porém, muitas mulheres ainda não conhecem o funcionamento e os desdobramentos de uma medida protetiva. Meu objetivo foi alertar e explicar, sanando todas as dúvidas”, explicou.

 No terceiro encontro, as promotoras legais debateram com o grupo reflexivo “Homens Pelo Fim da Violência Contra a Mulher”, em uma roda de conversa, temas como desconstrução do machismo e masculinidade. Na ocasião, todos os presentes puderam fazer questionamentos sobre o machismo e sua desconstrução na sociedade contemporânea; a masculinidade e o feminismo; a violência contra a mulher e os índices de feminicídio; e também o trabalho de ressocialização de homens infratores na Lei Maria da Penha.

 Por fim, na noite desta terça-feira (29/05), o encontro sobre as “Reflexões Sobre a Violência Contra a Mulher na Arte” teve à frente as historiadoras Elidayana Alexandrino, Renata Cordeiro e Vanessa Oliveira. De forma interativa, a palestra trouxe debates voltados ao machismo na história da arte. “Nosso objetivo é olhar imagens e refletir sobre a representação do corpo feminino em cenas de abuso e como esse tema foi e ainda é naturalizado na história da arte. Hoje tenho a certeza de que meu caminho é usar a arte para tratar de direitos humanos”, disse Elidayana.

 O objetivo da capacitação, que tem como madrinha a primeira-dama Larissa Ashiuchi, é orientar as suzanenses sobre cidadania e conceitos de igualdade de gênero e respeito, além de enaltecer os seus valores humano, social, político e econômico. Todas as palestras contam com tradução simultânea para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

 

A edição 2018 do Promotoras Legais Populares é ministrada uma vez por semana, às terças-feiras, entre 18h30 e 20h30, no Auditório Orlando Digenova, do Centro de Educação e Cultura Francisco Carlos Moriconi (rua Benjamin Constant, 682, no centro).

 Créditos das fotos: Wanderley Costa/Secop Suzano e Maurício Sordilli/Secop Suzano

VEJA TAMBÉM:

http://suzanoagora.com/2018/05/31/concurso-publico-da-gcm-tera-participacao-de-1-935-concorrentes/

 

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.