Dois trabalhos elaborados por equipes de servidores da Secretaria de Saúde de Suzano serão avaliados nacionalmente a partir desta terça-feira (02/07) no Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília. Os estudos tratam de iniciativas voltadas ao combate das arboviroses (dengue, zika, chikungunya e febre amarela) e às causas e consequências de ações judiciais para a obtenção de medicamentos de alto custo junto à municipalidade.


Os trabalhos foram selecionados no 33º Congresso de Secretários Municipais de Saúde de São Paulo, realizado no mês de abril, em Águas de Lindóia. As ações em Suzano estão entre as 67 selecionadas das 995 experiências apresentadas por prefeituras paulistas e concorreram ao Prêmio David Capistrano, oferecido às iniciativas de vanguarda.

 

A primeira apresentação está marcada para o dia de abertura do congresso (02/07), com o tema “Judicialização da Saúde, Compulsão Decisória e Desestruturação do Sistema Único de Saúde (SUS)”, elaborada pelo coordenador de assistência farmacêutica de Suzano, Rodrigo Christiano Hilário Moreira. O trabalho apurou desde 2015 ações judiciais voltadas à obtenção de remédios de alto custo junto ao município, critérios definidos para mapeamento de custos e as consequências para o equilíbrio dos investimentos municipais a curto, médio e longo prazo. Uma das constatações ao final da pesquisa foi o impacto de 30%, o que pode aumentar exponencialmente nos próximos anos, vindo a comprometer os recursos aplicados na área.


Já na quinta-feira (04/07), a diretora de Vigilância em Saúde de Suzano, Maria Cristina Perin, apresentará o trabalho “Ações Multidisciplinares nas Arboviroses em Suzano”, que trata do conjunto de iniciativas e abordagens realizadas desde o início de 2017 no combate aos mosquitos vetores de doenças como dengue, zika, chikungunya e febre amarela, realizado por agentes da pasta e das Secretarias de Meio Ambiente e de Manutenção e Serviços Urbanos.

 

Para Rodrigo Moreira, a expectativa é grande por tratar de um tema como a defesa do atendimento de saúde a toda comunidade. “Com a apresentação buscamos o fortalecimento da gestão pública e a efetivação da comunicação entre Judiciário e comissão de saúde municipal, de caráter técnico, pois assim iremos manter necessidades coletivas”, afirmou.

 

A diretora de Vigilância em Saúde de Suzano também se mostrou ansiosa em apresentar os resultados do trabalho. “Tais ações permitiram o baixo número de casos de arboviroses nos anos de 2017 e 2018, bem como o acompanhamento completo de todos os surtos ocorridos no município em 2019, onde houve um aumento em todas as regiões do Estado”, explicou Maria Cristina.

 

Para o secretário de Saúde de Suzano, Luiz Cláudio Rocha Guillaumon, é motivo de orgulho pelo trabalho desempenhado pelos profissionais que atuam no município. “Estamos indo para além do mero atendimento às necessidades da comunidade. Nossos quadros buscam novidades, alternativas e soluções para cada uma das demandas de maneira criativa”, disse.

 

 

Créditos das fotos: Mauricio Sordilli/Secop Suzano, Irineu Junior/Secop Suzano e Wanderley Costa/Secop Suzano

 

Deixe uma resposta