O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, alertou sobre o iminente colapso do sistema de saúde haitiano descrevendo como “alarmante que seis em cada 10 hospitais no Haiti mal estejam operacionais.”

Em nota emitida nesta quarta-feira em Nova Iorque, a agência explica que a recente escalada da violência na capital, Porto Príncipe, impede o acesso de crianças a suprimentos essenciais de saúde e medicamentos.

Uma equipe móvel de saúde apoiada pelo Unfpa visita um local para pessoas deslocadas perto da capital do Haiti, Porto Príncipe

Uma equipe móvel de saúde apoiada pelo Unfpa visita um local para pessoas deslocadas perto da capital do Haiti, Porto Príncipe

Compra e manutenção 

A nota do Unicef enfatiza que todos os hospitais haitianos relataram desafios para comprar e manter reservas de suprimentos médicos. Voos de carga internacionais e domésticos retomaram recentemente, mas a capacidade de entrega é limitada.

A prestação de serviços de saúde também é afetada por um processo marcado por “um atraso significativo, assim como os principais portos marítimos, que anteriormente estavam nas mãos de grupos armados.”

Para o representante do Unicef no Haiti, Bruno Maes, o sistema de saúde haitiano “está à beira do colapso”. 

O representante aponta uma “combinação de violência, deslocamento em massa, epidemias perigosas e crescente desnutrição que distorceu o sistema de saúde do Haiti”. A série de dificuldades é agravada por barreiras nas cadeias de abastecimento.

Paralisação devido à violência

Com a violência os suprimentos têm sido retidos ou saqueados, assim como muitos armazéns e farmácias. Centenas de containers carregados com artigos humanitários neonatais, maternos e médicos ficam guardados.

A capital do Haiti é o principal centro logístico do país e normalmente recebe e despacha as remessas de importações de produtos de saúde. A paralisação devido à violência ocorre num momento em que 160 mil pessoas vivem como deslocadas.

As necessidades da população não podem ser atendidas e os pacientes estão expostos a traumas físicos e ao risco de contrair doenças. Nos últimos seis meses até abril, o Haiti notificou 82 mil casos suspeitos de cólera. 

Cerca de 4,4 milhões de haitianos precisam de auxílio alimentar urgente, sendo que 1,6 milhão enfrentam níveis de emergência de insegurança alimentar aguda. A situação agrava o risco de desnutrição, principalmente a infantil.

A crise no Haiti está afetando as instalações de saúde do país

A crise no Haiti está afetando as instalações de saúde do país

Escalada da crise

Outra questão afetando o país são famílias abandonando os lares em busca de segurança, especialmente no sul. 

Este segmento da população exerce uma “pressão adicional sobre os serviços de saúde locais, que mal conseguiam dar resposta à procura antes da mais recente escalada da crise” destaca a agência das Nações Unidas. 

Diante da demanda pelos serviços médicos, o Haiti conta com menos 40% dos funcionários do setor comparados ao início da crise. Eles abandonaram o país devido aos níveis extremos de insegurança.

 

source
Com informações da ONU

Anúncios

Deixe uma resposta