Mostra Cultural da AMDEM apresenta resultado de 2019 e novos projetos socioeducativos 2020

A 8ª Mostra Cultural da AMDEM – Associação Mogicruzense para  Defesa da Criança e do Adolescente, apresentará os resultados das atividades realizadas durante este ano com as crianças e adolescentes que frequentam o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – Projeto “O Futuro é Agora”, desenvolvido pelo programa sócioeducativo oferecido pela instituição, entre elas se destaca a Exposição RealezaErê, e o lançamento do projeto “TV e Rádio AMDEM na Rota das Africanidades, Ancestralidade e Cidadania” que ganhou o prêmio do Edital Sementes – Itaú-Social-Unicef 2019.

O evento acontece no dia 23 de novembro, no Ciarte, Rua Ricardo Vilela nº 691, Centro, a partir das 14 horas, e será aberto ao público.

Com uma programação que prevê apresentações: de teatro, dança tradicional e de rua, musicas interpretadas pelas crianças e adolescentes e um coral composto pela equipe de funcionários da AMDEM, destacando a exposição das fotos do projeto RealezaErê e apresentação de vídeo com making of do dia realização do ensaio que traz depoimentos das crianças e adolescentes que participaram desta atividade e de algumas pessoas que estiveram envolvidas.  Outras  novidades estão na área da comunicação com a apresentação do site institucional https://www.amdem.com.br/que passa a ser um dos principais canais de informação da Associação e o  lançamento do projeto “TV e Rádio AMDEM.

 

 

Foto: Projeto RealezaErê/AMDEM/2019

“RealezaErê, nome dado ao ensaio fotográfico realizado pela Amdem  para  promover  junto à criança e adolescente, a valorização da cultura afro, a elevação de sua autoestima, a capacidade de olhar para  si mesmo e perceber-se pessoa com uma história viva e concreta e, por isso, capaz de ser protagonista de sua existência no mundo”, afirma a coordenadora Maria de Fátima da Cruz, da Associação Mogicruzense de Defesa da Criança e Adolescente.

Na primeira edição do “RealezaErê”, foi trabalhada a proposta temática da Africanidade, por meio do uso da estética afro presente nos samakaka (tecido africano) e na sua utilização para produção de diferentes formatos de turbantes e roupas amarrações, deixando as crianças e adolescentes livres para o uso dessas produções. Foram feitos registros fotográficos com as roupas que muitas trouxeram de casa, com fantasias que foram disponibilizadas por pessoas que colaboraram com o projeto.

Foto: Projeto RealezaErê/AMDEM/2019

Relatos de situações de discriminação e racismo passadas no ambiente escolar; as rejeições em determinados estabelecimentos; a falta de referências que valorizem a representatividade em todos os tons de pele; os estereótipos midiáticos que estão longe das realidades vivenciadas no território onde habitam; a negação da cor da pele negra, como uma das formas de defesa e proteção para conseguir a aceitação em ambientes e por pessoas que não as enxergam da mesma forma que tratam as crianças-não negras, fizeram com que a AMDEM criasse e crie estratégias de ações que permitam que as crianças e adolescentes, que frequentam as atividades oferecidas pela entidade, se reconheçam, desenvolvam a identificação com sua afrodescendência pelos aspectos positivos dos valores, da tecnologia, da cultura das diferentes etnias presentes no Brasil.

RealezaErê reafirma que as crianças e adolescentes, bem como seus pais e mães, avós, enfim,  a população negra brasileira descende de reis e rainhas, príncipes e princesas e portanto, é reavivar essa origem capaz de nos fortalecer na identidade, na luta para garantir nossos direitos com igualdade e nossa cidadania. O orientador social Igor Moreira, que foi um dos fotógrafos, reforça esse sentido quando comenta e afirma:  “Nunca tirei tanta foto na vida, mas valeu,  e muito! Nossas crianças, nosso povo. Em meio a uma sociedade doentia e preconceituosa, existe um lampejo de esperança. Abram alas para o rei, me considero assim, pois só ando entre reis e rainhas! Reis e Rainhas, Erês!”

O projeto contou com a participação da equipe AMDEM que atuou como fotógrafos, produtores de cenários, cabelereira, juntamente com um grupo de pessoas voluntárias que estiveram presentes na sede da associação, no dia 18 de outubro de 2019, que além de contribuírem nas mesmas funções atuaram na produção, como maquiadoras, fazendo turbantes, enfim styling arrumando as crianças e adolescentes. Outras pessoas também ajudaram enviando fantasias, acessórios como bijuterias, lenços, roupas para compor a produção. Vale ressaltar os momentos de preparação e dialogo na equipe AMDEM, com as crianças e adolescentes, com as pessoas responsáveis por elas, e as que assumiram o compromisso em diferentes ações como voluntárias.

AMDEM acredita no uso da fotografia como instrumento de reconhecimento e pertencimento à história da família, da comunidade, da escola, do território, do trabalho, enfim dos espaços onde nos relacionamos e vamos desenvolvendo nossas habilidades de interação, integração, de protagonismo.  A fotografia, com certeza,  além de documentar um momento da história, no tempo e no espaço, para a Associação esse primeiro ensaio cumpre o papel de possibilitar às crianças e adolescentes que frequentam as atividades desenvolvidas, elevar a autoestima, perceber que para beleza não há padrões e que há diferentes estilos individuais que compõe o coletivo, criar performances, possibilitando o exercício do lúdico, mas também que são capazes de dizer  “não” ao preconceito e conhecer a história real dos que foram escravizados em nosso país e que não aceitaram pacificamente.

O projeto continuará registrando a beleza existente na diferença, promovendo a representatividades, belezas sem padrões, o empoderamento, a igualdade, a autoestima, o autocuidado, a percepção de cidadania, das identidades, agindo estrategicamente por uma sociedade mais democrática.

CRÉDITOS do Projeto RealezaErê da Associação Mogicruzense de Defesa da Criança e do Adolescentes – AMDEM:  Fotografias – Ana Beatriz A. de Morais, Igor Alexsander Fernandes Moreira; Assistente Produção as Crianças e Adolescentes – Priscilla Carvalho; Cenário – Produção – Ana Beatriz  A. de Morais, Igor Alexsander Fenandes Moreira, Ligia de Marco e Paula, João Yrapoan Vidal Campos; Figurinos – Produção – Ariane Roberta Ferreira da Costa, Ligia de Marco e Paula, Mara Vidal, Vanderléia Leite da Silva Valério; Maquiagem  – Ariane Roberta Ferreira da Costa, Ligia de Marco e Paula, João Yrapoan Vidal Campos ,  Maria Vidal Pereira.

O prêmio Itáu-UNICEF, no valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) foi destinado a 20 instituições que fomentassem iniciativas protagonizadas por jovens entre 15 a 29 anos com o propósito de articular ações no território onde estão localizadas, promover a inclusão social a diversidade humana, contribuindo para o combate ao preconceito e a discriminação e para promoção da equidade.

O projeto “TV e Rádio AMDEM na Rota das Africanidades, Ancestralidade e Cidadania” é focado nos eixos da Educomunicação e Cultura Afro-brasileira, tendo a área da comunicação como instrumento de capacitação, difusão de culturas, de informação protagonizada por adolescentes e jovens, a partir dos 15 anos,  em toda sua produção para rádio (podcast) e televisão, até o desenvolvimento de habilidades para o uso das redes sociais na divulgação dos produtos comunicacionais desenvolvidos.

A TV E Rádio AMDEM, contam com recursos próprios da Associação, e outros advindos da aprovação do Edital Sementes 2019 – Prêmio Itaú Social-UNICEF, e foi apresentado e aprovado para captação de recursos através da Lei de Incentivo a Cultural 2019, do município de Mogi das Cruzes.

No projeto estão previstas oficinas de capacitação, para 50 adolescentes e jovens, divididas em 5 módulos com 4 horas cada: Leitura Crítica da Comunicação – LCC; Jornalismo, Radialismo, Usos das Redes Sociais, Áudio Visual.

O processo de capacitação utilizará a metodologia da Educomunicação, que a partir de atividades práticas e lúdicas experimentais aplica os conceitos da comunicação e mídia, a dinâmica do prevê momentos de discussões e debates, troca de experiência com profissionais de comunicação e com coletivos que produzem narrativas comunicacionais a partir da cultura articulada em seus territórios e que contam com participação de adolescentes e jovens em todo o processo de construção.

O projeto é destinado a 50 adolescentes e jovens que frequentam as escolas públicas de ensino fundamental 2 e médio no território (composto por 37 bairros) onde está localizada a sede da AMDEM e onde se  realiza as ações  socioeducativa, e também para discentes de escolas públicas de ensino fundamental 2 e médio sediadas no munícipio.

Na TV e Rádio AMDEM, os adolescentes e jovens são responsáveis pelo processo de produção assumindo papeis de produtores, entrevistadores, definidores de pauta, produtores de narrativas, roteirização, captadores de imagens e sonoras, editores audiovisuais, como acompanhamento e supervisão de educomunicador, educomunicador-assistente, e a coordenação da  instituição.

Os 40 programas produzidos para Rádio e TV serão divulgados em canal especifico no linkado ao site da AMDEM, e serão produzidos teaser para divulgação nas redes sociais – facebook, Instagran, twitter – constituídos para a TV & Rádio AMDEM.

Os programas têm o desafio de dialogar com as realidades em que vivem os adolescentes e jovens do projeto, tendo em vista abordagem sobre Africanidades, Ancestralidade e Cidadania, além de possibilitar o desenvolvimento de habilidades de leitura, produção, difusão de produtos comunicacionais, para que se tornem agentes multiplicadores de uma comunicação pautada na cidadania, no respeito à diferença, dos valores materiais e imateriais contidos na cultura afrobrasileira, pois o tema Africanidades é norteador das ações da instituição de 2019 a 2022.

Deixe uma resposta