Rede municipal de ensino atende 27 mil alunos em 2019

0
281

Aumento foi de mil vagas em relação a 2018; Suzano ainda concretizou novidades em relação à segurança e Educação Especial

A rede municipal de ensino de Suzano ofereceu 27 mil vagas em creches e pré-escolas em 2019, mil a mais em relação ao ano anterior. A expectativa é de que ao final de 2020 o aumento seja equivalente e alcance 28 mil matrículas na educação infantil e ensino fundamental. Houve ainda novidades na segurança e na Educação Especial.

 

De acordo com o secretário de Educação de Suzano, Leandro Bassini, para chegar a este resultado, a pasta trabalhou em três frentes. “Primeiro foi a implantação de salas de aulas em unidades já existentes e que comportavam mais alunos. Depois a construção de novos prédios e a ampliação de convênios com entidades que já têm experiência em educação ou em trabalhos com crianças”, explicou. 

Outro ponto de destaque foi o intenso trabalho em relação à segurança nas escolas da rede municipal. Segundo Bassini, houve dois tipos de ação ao longo do ano letivo. Como a presença de agente escolar na porta da unidade, para controle de entrada e saída no portão de acesso, alarme e o botão de pânico com ligação direta à Central de Segurança Integrada (CSI). 

Outra questão é um projeto de prevenção à violência que está sendo desenvolvido em 33 unidades a partir de atividades voltadas a uma rede de apoio aos estudantes de escolas públicas e suas famílias. “A ideia é que a saúde mental permaneça íntegra em toda a sua vida escolar e acreditamos que este trabalho nos trará resultados muito positivos”, disse Bassini.

 

Outra novidade em 2019 foi a implementação da Jornada Estendida, iniciada em oito escolas e que atendeu 600 estudantes do 5º ano do ensino fundamental. O projeto, em parceria com as Secretarias de Cultura, de Esportes e Lazer e de Segurança Cidadã, proporcionou diversas atividades no contraturno escolar. “A ideia é que a Educação seja promovida como processo multidimensional, articulado com outras políticas setoriais, para um desenvolvimento cada vez maior dos estudantes”, comentou.

 

Educação Especial

De acordo com Bassini, houve conquistas importantes em relação à Educação Especial. Na Escola Municipal Damásio Ferreira dos Santos, na Vila Sol Nascente, por exemplo, há assessoria especializada para alunos surdos ou com deficiência auditiva. Atualmente, há 420 crianças, sendo nove surdas, e 11 funcionários dedicados especialmente para este atendimento.

 

A escola é um polo de atendimento com uma perspectiva de inclusão, onde há aulas de Libras não só para alunos, mas também para pais, funcionários e professores. “Temos professores surdos entrando nas salas de alunos ouvintes para ensinar Libras e crianças surdas também aprendendo Libras”, afirmou o secretário.

 

Em 2019, houve também capacitações nas escolas voltadas ao atendimento às crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e a aplicação do Método Denver em duas unidades de educação infantil, como a creche conveniada Nudi Lar das Flores e a Escola Municipal Antônio Teixeira. Atualmente, há 170 alunos com autismo presentes na rede municipal de ensino. 

A pasta já estuda ampliar o atendimento especializado para os alunos das creches municipais com autismo. “O Método Denver é uma ferramenta utilizada para tratamento de crianças de até 5 anos de idade. É de extrema importância essa atenção voltada desde cedo para organizar a vida deles. É algo novo que estamos trazendo para a cidade e como a experiência nas duas escolas foi positiva, pretendemos ampliar este ano para outras unidades”, frisou.

 

Outro trabalho inédito na cidade foi uma capacitação pedagógica voltada aos educadores do Alto Tietê sobre surdocegueira congênita, realizada no Complexo Educacional Mirambava, em parceria entre a Prefeitura de Suzano, a Universidade de São Paulo (USP) e o Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat).

 

O curso segue em andamento até agosto com aulas teóricas e práticas que tratam de técnicas dedicadas a alunos com surdocegueira congênita, uma condição que pode ser causada por fatores como doenças passadas da mãe para o bebê durante a gestação, meningite ou síndromes genéticas. Nestes casos, o aluno não desenvolveu uma linguagem convencional e necessita de abordagens pedagógicas alternativas. 

“Essa é uma oportunidade para os profissionais da rede municipal para que ampliem seus conhecimentos. Nosso principal objetivo é estabelecer em nossa cidade uma educação de base inclusiva e abrangente, que dê oportunidades para todos, sempre respeitando cada uma de suas características”, concluiu Bassini.

 

 

Créditos das fotos: Wanderley Costa/Secop Suzano, Irineu Junior/Secop Suzano e Mauricio Sordilli/Secop Suzano

 

Deixar uma resposta