Tartaruga-cabeçuda foi recolhida já sem vida em praia de Praia Grande (SP) — Foto: Divulgação/Praia Grande Mil Grau

 

Tartaruga-cabeçuda, que está em perigo de extinção no Brasil, foi encontrada morta em Praia Grande (SP). Essa é a segunda da espécie a ser recolhida somente nesta semana.

Uma tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta) foi encontrada morta em Praia Grande, no litoral de São Paulo, no fim da tarde desta quinta-feira (31). Essa foi a segunda tartaruga encalhada da espécie a ser encontrada nesta semana na cidade. Assim como a encontrada no início desta semana, ela já estava em avançado estado de decomposição, dificultando a definição da causa de sua morte.

De acordo com o Instituto Biopesca, que recolheu a tartaruga encontrada já morta por banhistas na praia do bairro Jardim Real, o animal estava na fase juvenil e com 51 kg. A espécie vive em mares tropicais e subtropicais de todo o mundo e também em águas temperadas.

No País, as principais áreas de desova ficam no Espírito Santo, Bahia, Sergipe e litoral norte do Rio de Janeiro. Os filhotes e juvenis vivem em alto-mar, diferente da tartaruga-verde (Chelonia mydas) que, nessa fase, habita a costa litorânea.

Desde que começou a executar o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), o Instituto Biopesca já recolheu 257 tartarugas dessa espécie em praias de Praia Grande, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe, que são monitoradas diariamente pela instituição.

Tartaruga-cabeçuda foi encontrada morta em praia de Praia Grande (SP) — Foto: Divulgação/Praia Grande Mil GrauTartaruga-cabeçuda foi encontrada morta em praia de Praia Grande (SP) — Foto: Divulgação/Praia Grande Mil Grau

Tartaruga-cabeçuda foi encontrada morta em praia de Praia Grande (SP) — Foto: Divulgação/Praia Grande Mil Grau

Projeto de Monitoramento de Praias

O PMP-BS é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

Deixe uma resposta