Baixada Santista tem o menor número de roubos da história em março

0

As cidades da Baixada Santista registraram queda nos principais crimes praticados durante março. Os roubos em geral atingiram o menor número da série histórica para o mês, desde o início do monitoramento, em 2001, conforme o balanço mensal da Secretaria da Segurança Pública. A queda é reflexo das ações implementadas pelas forças de segurança na região, com aumento do efetivo policial e ampliação das operações para combater o crime organizado.

Os roubos em geral, que incluem a banco e de carga, caíram 33,5% em março, na comparação com o mesmo período de 2023, passando de 1.409 delitos para 937 registros. Antes disso, só em 2021 que a região obteve um patamar menor que mil ocorrências no mês. Houve queda também nos roubos de veículos com 90 casos contabilizados em março deste ano, 20,4% a menos que em março do ano passado.



Os dados confirmam que os índices criminais na Baixada Santista seguem em queda pelo segundo mês consecutivo. Em fevereiro, os roubos em geral e os roubos de veículos atingiram o menor número da série histórica para o mês.

O secretário da Segurança Pública, Guilherme Derrite, elencou a integração entre as polícias de São Paulo no combate ao crime organizado no litoral paulista como fator determinante para a redução dos indicadores criminais no período. “A Baixada Santista, durante muito tempo, foi refúgio para todos os tipos de criminosos, mas estamos acabando com isso. A maior presença de agentes do estado, aliada ao patrulhamento ostensivo e às investigações, tem contribuído para essa queda em todos os índices, não só no mês, mas no trimestre”, explicou. “É a certeza de que estamos no caminho certo para devolver a tranquilidade para os moradores e os turistas que frequentam nosso litoral.”

No período, a Polícia Civil registrou 2.693 furtos em geral, que incluem de carga. A quantidade é 16,1% menor em relação aos 3.208 casos de março de 2023. Em março, também houve redução nos furtos de veículos: de 324 ano passado para 262 crimes no mês passado, ou seja, 19,1% a menos.

No final de fevereiro, portanto, com atuação já em março, houve ampliação no efetivo policial nas principais cidades da região. Mais de 340 PMs, entre soldados, cabos e sargentos, passaram a atuar na Baixada Santista.

Isso refletiu também nos crimes contra a vida. Os homicídios dolosos, com intenção de matar, caíram pela metade. Em março do ano passado, foram 13 assassinatos. No mesmo mês de 2024, a polícia registrou seis crimes. Um latrocínio, roubo seguido de morte, aconteceu no período.

Os estupros tiveram redução de 8,8%. Foram 73 boletins de ocorrências registrados pela Polícia Civil no mês anterior.

As ações integradas permitiram que as Polícias Civil e Militar retirassem de circulação 136 armas de fogo ilegais, 86,3% a mais na comparação com março do ano passado. O total de presos e apreendidos no mês passado chegou a 971 infratores, sendo 402 por mandado.

No mês passado, a SSP anunciou uma série de investimentos para fortalecer a segurança na Baixada Santista. Há previsão de aplicar R$ 70 milhões para reformar e concluir obras de unidades policiais e aquisição de equipamentos, como viaturas, barcos blindados e novas armas.

No trimestre, região teve queda nos crimes

Nos três primeiros meses do ano houve uma queda consistente nos roubos em geral praticados nos municípios da Baixada Santista. Na comparação com o trimestre anterior, a queda foi de 24,2%, passando de 3.911 casos para 2.964. As ações de segurança também impactaram os roubos de veículos, que diminuíram 22,6% no período. De janeiro a março deste ano, foram 223 ocorrências, contra 288 registros um ano antes.

Os furtos em geral fecharam o trimestre com 8.261 casos, ante 9.422 no ano passado, ou seja, 12,3% a menos na comparação. Ainda conforme o balanço, a polícia evitou 36 furtos de veículos, o que representa uma queda de 4,1%, totalizando 845 registros no primeiro trimestre do ano.

No período, a polícia registrou 28 homicídios, dez a menos que no primeiro trimestre de 2023. Neste ano, até março, foram três latrocínios, roubo seguido de morte, um a menos na comparação trimestral. Os estupros variaram negativamente, com quatro boletins de ocorrências a menos, chegando a 194 registros.

Anúncios

Deixe uma resposta