O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), esteve na tarde desta segunda-feira (29/4) com Rodrigo Garcia (sem partido). O ex-governador de São Paulo fez sua primeira reunião de trabalho com Nunes na qualidade de coordenador do programa de governo do emedebista para a reeleição. Na oportunidade, os dois discutiram as principais diretrizes e os eixos temáticos que vão alicerçar o documento.

O convite para Garcia assumir a elaboração do plano de governo de Nunes partiu do deputado federal Baleia Rossi, presidente da Executiva Nacional do MDB e coordenador-geral da pré-campanha à reeleição do prefeito de São Paulo. O ex-governador, que coleciona mais de 25 anos de experiência em Gestão Pública, terá a incumbência de criar grupos colaborativos temáticos, com direito à adesão de especialistas, bem como trabalhar a participação da sociedade civil organizada durante a construção do documento:

“A atual gestão implementa o programa de governo definido em 2020 junto ao saudoso Bruno Covas (prefeito do PSDB morto em maio de 2021). Nossa missão é seguir executando o maior investimento na área Social que a cidade já viu e sempre avançar para uma São Paulo ainda mais inclusiva, com oportunidades e inovação”, observou Nunes.

Dentro das próximas semanas, a pré-campanha à reeleição do prefeito de São Paulo vai anunciar os profissionais e os políticos que vão compor a equipe de trabalho liderada por Garcia.

Na reunião realizada há pouco, Baleia reforçou a importância de a frente ampla contar com a expertise do ex-governador de São Paulo, que também foi eleito vice-governador do maior estado da América Latina, deputado federal e deputado estadual, passou pela Presidência da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) e exerceu os cargos de secretário de Estado e de secretário municipal da Prefeitura de São Paulo.

Frente ampla
A frente ampla liderada por Nunes nas eleições municipais de 2024 abarca, até o momento, 11 siglas e, de longe, é a maior em número e, também, a mais plural, reunindo ideologias de centro, de centro-esquerda, de centro-direita e de direita.

A aliança majoritária conta com MDB, PL, PP, Agir, Republicanos, Solidariedade, Avante, PRD, Podemos, PSD e Mobiliza.

A possibilidade é que este indicador ganhe reforço, dentro dos próximos dias. O prefeito de São Paulo ainda aguarda a adesão oficial do União Brasil ao seu projeto de recondução ao Executivo paulistano, ao passo em que mantém diálogo com o PSDB – agremiação federada ao Cidadania.

O pré-candidato a prefeito de São Paulo Guilherme Boulos (PSOL) conta apenas com quatro partidos – todos de esquerda ou da extrema esquerda.

A quantidade de siglas no pleito deste ano pode fazer a diferença nas urnas, sobretudo em razão da mobilização por parte dos pré-candidatos a vereador. Com 11 agremiações e chapas completas (56 postulantes, cada) de pré-candidatos ao Poder Legislativo, Nunes terá um verdadeiro exército nas ruas defendendo sua reeleição.

Assessoria de Imprensa
Fiamini – Soluções Integradas em Comunicação – a serviço do Diretório Municipal do MDB de São Paulo

Anúncios

Deixe uma resposta